Elemental Campaign

(Pensem voz de trailer de cinema e largas panorâmicas da Nova Zelândia ao ler o próximo parágrafo:)

Num mundo devastado pelos elementos, onde o homem comum procura sobreviver lutando contra bandidos, tempestades ou mesmo o seu vizinho feiticeiro louco, um grupo de aventureiros surge sem medos ou receios (ou consciência) dos perigos que poderão enfrentar ao virar de cada curva da floresta. Uma guerreira bárbara dos ínfames orcs, armada de machado e facilmente irritável; um anão de tez ligeiramente dourada, portador da palavra divina do deus da batalha; um elfo dos bosques, conhecedor da floresta e da bolsa alheia; um feiticeiro, da raça dos mais nobres utilizadores de magia, e os mais reclusos também; um homem solitário, forte de espírito e de braço; e (mais um) elfo, das terras nevadas, que se esconde em mistérios. Eles avançam pelas terras, trazendo justiça ou caos, mas normalmente ambos, fazendo frente a chamas vivas, dragões, ou ogres terríveis; armando confusão e despachando tudo à porrada. Eles são… HAM – Heroes Among Mortals! (termina música com final dramático!)

Começou em 2006, após uma breve e insatisfeita passagem pela World’s Largest Dungeon, a campanha de Dungeons & Dragons que continuamos a jogar semana após semana, e que já devem ter lido qualquer coisa sobre isso neste blog, se costumam cá vir frequentemente (sim, vocês os dois, vocês sabem quem são!). O nosso DM tem a sua morada online aqui, se quiserem espreitar. Já jogo com ele há cinco anos, creio, e temos mantido um grupo de jogadores estável de boa gente, e sessões (mais ou menos) regulares.

O que é Dungeons & Dragons?

Se vieram cá parar por acaso, levados no engano de um qualquer motor de busca, e não fazem ideia do que seja uma campanha de Dungeons & Dragons, este não será o melhor local para descobrir, mas vou fazer uma tentativa de explicação. Dungeons & Dragons é um jogo de Roleplay em que os jogadores encarnam personagens de fantasia (como elfos e anões, ao estilo Lord of the Rings, ou outros, a imaginação é o limite) e partem em aventuras que vão desde salvar a princesa, ou matar o lobisomem na cave da igreja da vila que fica no limite da Floresta Negra (de novo, a imaginação é o limite). Estas aventuras são geridas por outro jogador, o DM, que não é bem um jogador. Ele é responsável por todo o mundo, monstros e NPCs (Non Playable Characters) que surgem durante o decorrer de uma aventura. Se conhecem World of Warcraft, ou outro qualquer jogo desse tipo, um jogador de Dungeons & Dragons é qualquer um jogador que controla uma personagem, enquanto que o DM é o servidor: ele diz onde, quando e como aparece o monstro, e qual o seu aspecto, como é o mundo à volta, qual a tua missão, etc. É uma trabalheira…

IMG_0844

Normalmente joga-se numa mesa, e cada jogador tem a sua folha de personagem, contendo os detalhes e equipamento que trás (tecla c em Wow) e também os dados, importantes para resolver as situações, como combate. O DM esconde-se atrás do screen, de onde prepara a acção.

Um campanha consiste no encadeamento de aventuras de um grupo de personagens. Se pensarmos, uma campanha poderia ser um livro, e cada aventura um capítulo desse livro.

Se ainda não perceberam o que raio se passa aqui, então o melhor será espreitar o site oficial de Dungeons & Dragons.

Elemental Campaign

Voltando à nossa campanha, da qual poderão obter mais informação no site do nosso DM, ou no seu site antigo aqui, neste momento somos seis jogadores e seis personagens (mais o DM, claro). A minha personagem é a Myeva, barbarian extraordinaire, conhecida por levar porrada a torto e direito e bater com muita força também. De resto temos:

Lanarien De’Liath – Gray Elf Wizard: O nosso feiticeiro de serviço (jogado pelo homem por de trás do Draconus Dictum).

Ravhin – Elan Psychic Warrior: um guerreiro que combina a força marcial com os poderes da mente (jogado pelo homem por de trás do The Iron Keep).

Rafa – Dwarven Cleric of Kord: um anão dourado (!), com um gosto peculiar por tortura, vinho e porrada.

Morg – Elf Rogue/Ranger: o nosso guia pelos bosques, com um talento particular para se por em sarilhos.

Himo – Snow Elf Monk e algo mais: o personagem mistério, todos lhe reconhecem as características arcanas, mas as suas verdadeiras habilidades encontram-se guardadas entre ele e o Screen do DM.

Porquê HAM – Heroes Among Mortals?

É uma piada partilhada pelo grupo. Esta não é a nossa primeira campanha, apesar de os jogadores se manterem mais ou menos os mesmos, já passámos por várias encarnações. Na nossa primeira campanha, em que eu jogava Linna, cleric of Pelor, houve uma tentativa de golpe de estado e nós fomos à casa do barão tratar-lhe da saúde (ele tinha-nos mandado numa caça aos gambozinos com o objectivo de ficarmos tostados), e numa passagem breve pela cozinha, surripiámos um presunto. Desde então o presunto tornou-se muito importante, um símbolo, e costumamos ter sempre um no saco. Viva o presunto!

Outros posts relacionados:

Porque é que os orcs não gostam de tomar banho?

Myeva, a Rechonchuda

Ainda não

Dominada

3 comentários

Filed under Roleplay

3 responses to “Elemental Campaign

  1. É mortals! “Heroes Among Mortals”!!!:/

  2. Pronto, pronto. Já está corrigido.

  3. demonknight

    Nice! Da-lhe com alma Myeva!😛

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s