Flashback to the Tower of Scars

Depois de várias semanas de atrasos (incompatibilidade de horários) e personagens feitas, Echoes of Heroes pôde finalmente começar. Eberron aguarda pelas nossas aventuras.

IMG_4794

A história até agora

Estava uma manhã cinzenta no acampamento de apoio do exército de Breland perto de Saerun Road. Havia alguma comoção devido ao desaparecimento de Lord Major Bren ir’Gadden que diziam ter sido raptado e a notícias de espiões do Cyre nas redondezas.

Um grupo de Sentinel Marshals tinha chegado ao acampamento, liderado pelo Marshal Luk, e o comandante da guarnição decidiu aproveitar para usar as habilidades dos seus homens. Marshal Luk e alguns dos seus homens seguiram em busca dos espiões, deixando um warforged amante da terra e da natureza a quem chamavam VII para reunir um grupo entre os homens (e mulheres) do acampamento para ir investigar o desaparecimento do Lord Major.
Após reunir um grupo composto por Sariel Rivenport Thuranni, uma Eladrin Bard que acompanhava um grupo de artistas da casa Thuranni, Vril Dox, um Artificer humano da casa d’Cannith, e Mikal Nietsiar, um Wizard humano orgulhoso da sua barba e por VII, partiram segundo as indicações do comandante. Batedores tinham avistado um rasto que parecia ir na direcção das ruínas de uma torre e era para aí que se dirigiram.

Um trilho desgastado pela vegetação levou-os até à torre, donde se aproximaram cautelosamente. Detectaram buracos no chão junto da entrada desmoronada da torre e não tardou que um bando de Kruthiks lhes viesse dar as boas-vindas.

Kruthiks

Os Kruthiks não eram assim tão grandes, ou eram?

Ouviu-se uma voz humana que gritava “Aqui! Estamos aqui!” seguida de uma pancada seca, e uma criatura da altura de um anão, com 4 braços e 2 bocas juntou-se ao molho e começou a desancar neles. Mikal reconheceu a criatura como cedo um Dolgrim, um foulspawn que aparenta ter duas mentes.

Dolgrim

Duplamente Feio, Quatro vezes mau!

Escolhendo cautelosamente as suas armas e poderes, o grupo tentou eliminar os insectos e abominação, aproveitando os feitiços de área complexamente colocados por Mikal, o canto curativo de Sariel, a atenção de VII aos seus adversários, a Scythe mágica de Vril.

As criaturas acabaram por puxá-los na direcção da torre. Ao entrar eram esperados por um novo grupo de Kruthiks, facilmente despachados, e descobriram outro Dolgrim na sala ao lado, juntamente com uma estranha marca no chão, uma dragonmark, um homem que estava cata-tónico sobre ela e outro homem que estava preso à parede por grilhetas de metal. Evitando pisar a marca, receando os seus efeitos nefastos, e ponderando incenerar completamente o sítio, derrotaram o Dolgrim e soltaram o homem que provou ser nada menos que Lord Major Bren ir’Gadden. Mal o foulspawn caiu, correu para o seu ajudante, Aric Blacktree, tentando removê-lo de cima da zona da marca.
A marca tinha estranhas formas negras e azuis, como as dragonmarks que surgem na pele de membros das dragonmarked houses. Os peritos nas artes arcanas estudaram a marca, enquanto VII e Sariel acompanhavam o Lord Major e Aric para apanhar algum ar. O seu estudo revelou um verso na profecia dracónica:
Four at the brink of the desolation stand as one against the tempest’s roar.

Preparados para partir, depois de Vril fazer “a sua cena” lá dentro, seja lá o que a cena for, ao mesmo tempo que flashes laranjas surgiam no horizonte, zombies abriam caminho por entre as árvores acompanhados de soldados de escudos verdes: Emerald Claw!

Mikal usou a sua energia destrutiva para explodir com os zombies, Vril tentou encurralar uma inimiga com aspecto de feiticeira, Sariel tentou safar-se de entre os zombies, ajudando os seus companheiros, VII bateu nos seus adversários, e até o Lord Major deu uma ajuda.
Aric Blacktree continuou onde o deixaram, enrolando-se como um bicho de conta no chão.
Enquanto combatiam, estranhas explosões enchiam os céus e um nevoeiro nada auspicioso desenrolava-se cobrindo montes e campos, incluindo o campo de batalha vísivel da torre. Incluindo também o acampamento para onde iriam voltar, terminada a batalha e agarrados os itens mágicos adorados.
Bren ir’Gadden, auxiliando o seu ajudante de campo, olhava o horizonte preocupado.

O grupo pretende voltar ao seu acampamento, mas aquele estranho nevoeiro não transmite muita segurança. De onde vem esta névoa? O que aconteceu às pessoas que lutavam em Saerun Road?


O Jogo

Os Personagens em jogo foram:
Sariel, Eladrin Bard
VII, Warforged Warden
– Mikal, Human Wizard
Vril Dox, Human Artificer

Depois de alterações de última hora aos personagens e chegada dos jogadores mais atrasados pudemos finalmente ter a primeira sessão desta campanha.
Um dos objectivos que me tinha proposto era tentar juntar os backgrounds dos vários personagens para tentar que a party fosse unida nalguns pontos comuns, mas a verdade é que nem toda a gente me quis dar backgrounds (!) pelo que preparei para cada um que me deu informação uma pequena introdução (a que eu chamo “For Your Eyes Only”) em como o seu personagem foi parar àquele local. Funcionou mais ou menos, I guess…

O primeiro combate decorreu com bastante lentidão. Sendo a primeira vez a jogar quarta-edição, ou a jogar D&D de todo para alguns, ninguém estava seguro das regras ou dos poderes e acções que o seu personagem pode fazer. A maior parte dos jogadores estava a usar a character sheet impressa a partir do Character Builder, incluindo os cartões de poderes, mas creio que ainda não estão habituados a lê-los e ainda há algumas dúvidas em como os poderes funcionam.

IMG_4796

Do meu lado, também tentei algo diferente que foi usar o Computador em jogo. Peguei na spreadsheet do OpenOffice e tentei organizar a informação dos jogadores e dos monstros, continuando a usar cartões de iniciativa. Não funcionou tão bem como eu esperava. É dificil alternar entre janelas a meio do jogo, pelo que tenho de tentar arranjar uma melhor maneira de tomar nota de condições dos monstros e dos jogadores. Ideias?

O segundo combate já foi mais rápido, como já tenho lido na net, o combate em quarta edição não é assim tão mais rápido como os senhores da Wizards anunciam, mas com a prática deverá acelerar bastante.

Outra coisa que reparei é que a curta descrição que é dada aos poderes parece limitar as pessoas: “Ah, eu uso o Poder da Cena número 2, d20+6 vs Will. 10 de dano.” É importante usar um bocadinho a imaginação para dar vida à cena. Do it!

Vamos ver como será a segunda sessão.

1 Comentário

Filed under Dungeons & Dragons, Roleplay

One response to “Flashback to the Tower of Scars

  1. Pingback: O Convite « Paper Dragon

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s